[Resenha] Homem de Ferro – O Demônio na Garrafa

 

O encadernado Homem de Ferro – O Demônio na Garrafa foi lançado pela Salvat, como parte da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel (a famosa coleção da capa preta da Salvat). O volume reúne as edições 120-128 de The Invincible Iron Man, lançadas originalmente no ano de 1978.

Na história vemos Tony Stark, o playboy do Universo Marvel, travando uma batalha contra um inimigo mais humano, o alcoolismo.

David Micheline nos traz uma história onde vemos Tony Stark se perdendo aos poucos na bebida, como forma de fuga de seus problemas. Já no primeiro capítulo vemos o Homem de Ferro bêbado lutando contra Namor, O Príncipe Submarino. O ápice do arco foi a fatalidade ocorrida durante o evento do contrato Carneliano, onde após o acontecido Stark foi obrigado a entregar seu traje para o prefeito da cidade de Carnélia.

John Romita Jr nos entrega desenhos bem característicos da Marvel daquela época, bem diferentes do seu traço atual. Destaque para o ponto onde nos é reapresentada a gênese do Homem de Ferro que é praticamente a cópia dos quadros da história original, tendo apenas algumas adaptações e melhoramentos no desenho.

O resultado da obra é notável, pois nos mostra que vícios simples podem se tornar nossos maiores inimigos, e que a ajuda dos amigos nessas horas torna-se imprescindível. Como é dito no prefácio do encadernado por Marco M. Lupoi, “A Saga da Fênix Negra, o Demolidor de Frank Miller e muitos outros têm um débito de gratidão para com o Demônio da Garrafa, por mostrar um novo nível de sofisticação narrativa que passou a ser possível no sempre em evolução Universo Marvel.”.

Nota: 8,0